>Acenda uma vela!

>

linguaDiz o ditado popular que se conselho fosse bom, a gente não dava, vendia, ou que conselho e água, a gente só dá para quem pede. Definitivamente, eu nunca consegui seguir esses ditados. O Mário costuma dizer, que minha língua é maior que a boca. 
moscaNão consigo ficar quieta, calada. Mesmo sabendo, que em boca fechada não entra mosca. Acabo saindo de intrometida, quando tenho a melhor das intenções. Mas, como de intenções, o inferno está cheio, muitas vezes, um bom conselho pode ser ignorado, devido a má fama do ato.
Assim, com a melhor das intenções, vou deixar um bom conselho. E para que ele seja bem compreendido, é ilustrado. Porque mesmo que para um bom entendedor, meia palavra baste, uma imagem vale mais que mil palavras!

Acenda uma vela!

Tem dia que a gente acorda se sentindo uma carta fora do baralho.

baralho

Um verdadeiro peixe fora d’água

peixe

 
Parece que  o mundo inteiro está nas nossas costas….

mundo

E qualquer coisa pode ser uma puta  pedra no sapato!

sapato

Dá aquela vontade de chutar o balde.

balde

 
Porque mesmo andando na linha e

linha



Ralando o peito todo santo dia,

peito



Tomando o maior cuidado para não trocar as bolas.

bolas

Nem marcar touca, 

touca

Não tem jeito, entramos pelo cano!

cano

 
Mesmo dando tudo de nós, trocando os pés pelas mãos

pés

  
Acabamos pagando o pato por algo que não fizemos ou dissemos.

pato


Algo absurdo, bobo, muitas  vezes sem pé nem cabeça, mas que

cabeça

Acaba nos tornando o testa de ferro,

ferro

De quem lava as mãos e

lavar

Não assume que pisa na bola!

bola

E muitas vezes, dá vontade de descascar o abacaxi, gritar, xingar, mas no fim,

abacaxi

Precisamos mesmo é viver pisando em ovos,

ovos

Controlando os nervos para não quebrar o pau de uma vez!

pau

Muitas vezes temos que tomar um chá de cadeira

cadeira

Esperando a decisão daquele chefe mala sem alça,

mala



Que a gente morre de vontade de mandar queimar a rosca… 

rosca

 Mas, como peixe morre pela boca,

boca



Não é seguro dar essa sugestão, então vamos engolindo um puta sapo todo dia.

sapo

Quando você estiver se sentindo assim, com a corda no pescoço.

pescoço

Ou talvez com o coração partido. 

coração




Não fique chorando pelo leite derramado,

leite

Nem faça tempestade em copo d’água

tempestade



E muito menos, pense em pendurar as chuteiras. 

chuteiras

Ou botar as barbas de molho.

barbas

Também não fique procurando pêlo em ovo!

ovo

Nem com minhoca na cabeça!

minhoca


Não dê uma de João sem braço, que acha que não pode fazer nada!

joao

Enchendo lingüiça, deixando o tempo passar…

tempo

Ao invés de tentar acertar na mosca.

mosca

Não se esqueça que a vida é curta e a qualquer hora você pode bater as botas!

botas

 Você tem a faca e o queijo na mão.

faca


Dê um tempo. tirar uma água do joelho… Ler um bom livro. Tomar uma ducha.

joelho

Ouvir uma boa música ou assistir um filme engraçado pode ser uma mão na roda. Distrai, relaxa e ajuda mesmo!

roda

 Anime-se. Vá se divertir. Solte a franga!

jaca

Enfie o pé na jaca mesmo!

jaca

 
Lembre-se das coisas boas da vida…como agasalhar o croquete

croquete

Molhar o biscoito…

filme

Mas, cuidado para não queimar o filme! Tudo é bom com parcimônia!

queimar
Dani Starck

Não fique com pé atrás com as pessoas. Ainda tem gente boa nesse mundo!

pessoas

Abra o seu melhor sorriso, mesmo que forçado. 

cavalo

E siga adiante… devagar e sempre. Mas, não se esqueça nunca, que é

“Mais fácil acender uma vela que amaldiçoar a escuridão.” (Provérbio Chinês)

A maioria das imagens é do livro “Pequeno Dicionário Ilustrado de Expressões Idiomáticas” dos fotográfos Everton Ballardin e Marcelo Zocchio publicado pela Editora DBA em 1999. 

O poder do Querer

fatal
Na preguiça básica do sábado à tarde, sem muita vontade de pensar, achei na tv o clássico nada inédito  “Atração Fatal”. Acho que todos conhecem esse filme sobre o homem que trai a mulher e acaba arrumando uma doida para persegui-lo. Deve ser assistido junto com o marido ou namorado, e não podemos esquecer de ficar repetindo… tá vendo? tá vendo? tá vendo? cuidado, hein?
Bobagens à parte, a história mostra uma  pessoa que não consegue lidar com a rejeição. A paixão sobe à cabeça, deixando-a cega. Ela imagina um relacionamento que não existe e torna-se disposta a tudo para vivê-lo. O desejo desmedido transformado numa busca desenfreada pelo prazer e pela satisfação.

desejo
Michal Macku
O prazer que entorpece a alma, pode viciar o corpo e confundir a mente. Somos reféns dos pequenos prazeres que a vida nos proporciona.  Esses mimos não causariam problemas por si só, mas quando combinados com outras carências, podem deixar de ser uma fonte de alegria para tornar-se sofrimento.

Acredito que o maior desafio do ser humano seja não deixar a sedução do corpo chegar até a alma.  E não refiro somente à relacionamentos, incluo todas as delícias da vida, do sexo ao chocolate! Na conhecida frase “Querer é poder”, imagino que o sentido dessa frase, não se limite à auto ajuda, de incentivo à ação, mas também sirva como afirmação do poder que o “querer” exerce sobre nós e suas consequências. Os gregos mediam a integridade do homem, pela maneira como ele lidava com os próprios desejos.

emocional
Michal Macku
Canalizar a força do querer para alcançar um objetivo é o segredo do sucesso. Sucumbir ao poder do desejo para substituir uma carência é a receita do colapso. Quando estamos carentes ou inseguros, qualquer alternativa, que prometa neutralizar esses sentimentos, pode nos seduzir. Nessas condições, fatalmente, iremos idealizar no outro como a solução dos nossos problemas. Como uma droga viciante, podemos sucumbir a essa criação, acreditando que o outro é responsável por nossa felicidade. Quando nos deparamos com a realidade, a decepção pode ser cruel.

A insatisfação com uma situação que não conseguimos mudar, pode nos fazer buscar alternativas para supri-la. Assim, conhecer a própria identidade, estar seguro e satisfeito consigo mesmo, pode nos poupar da ilusão e de muito sofrimento. As pessoas nos decepcionam por não atenderem as nossas expectativas. Quanto maior o grau de dependência pela outra pessoa, maior serão essas expectativas e a probabilidade de decepção. Perceba tratar-se de um problema exclusivamente nosso, não do outro.
descontrole
Michal Macku
Somos apenas animais dotados de auto controle, apenas isso nos diferencia dos demais. Mas, dentro de cada ser humano, esse animal está preso nas grades da convenções sociais e comportamentais, que acumulamos nas centenas de milhares de anos da nossa existência social. Essa parte de nós é regida pelo princípio do prazer, que exige a satisfação imediata dos desejos sem importar-se com suas consequencias.  
Inúmeros filmes e livros contam histórias de pessoas, que sucumbiram ao desejo e à dependência. Crimes passionais são cada vez mais comuns. Tantas histórias mitológicas contam as desventuras dos deuses que deixaram-se seduzir, que se entorpeceram até a alma pela paixão. Se até os Deuses sucumbiram, imaginem nós, reles mortais?!



%d blogueiros gostam disto: