>A invenção da Mentira

>

Imagine um mundo onde as pessoas são sinceras.  Uma sinceridade extrema, onde elas dizem o que realmente pensam ou sentem, sem o menor constrangimento, com toda grosseria da verdade mais cruel. Imagine um mundo onde ninguém soubesse o que é a mentira, nem se quer conhecem esse nome. Um lugar onde não exista hipocrisia, meias palavras, ilusão ou fantasia. Esse é o mundo do filme A invenção da Mentira”, do diretor Mattew Robinson.
Comecei a assistir pensando ser uma comédia daquela bem hilária, mas acabei me deparando com um filme sensacional e inteligente, daqueles que nos fazem pensar, refletir sobre nossa vida, a vida dos outros e nossa interação.
Entre algumas risadas há momentos em que senti um nó na garganta, uma certa melancolia. É inevitável não sentir algum constrangimento diante de tanta sinceridade, muito embora os personagens não se sintam assim, a não ser o protagonista Mark, que sem saber porquê, não se sente feliz com essa realidade tão extrema.

No mundo criado e protagonizado pelo comediante inglês  Rick Gervais, não existem mentiras nem ilusões, também não existem filmes, nem tão pouco religião. As pessoas não sabem mentir, não são capazes de criar,  abstrair ou  imaginar qualquer outra situação, senão aquela que é como é, sem reflexões.
Mark é um roterista da Lecture Films,produtora de filmes, cujos roteiros são simples descrições de fatos históricos, exatamente da forma como ocorreram, sem cenas ou algum tipo de representação, apenas com a leitura desses fatos. Considerado um fracassado, além de feio e gordo, Mark é demitido do emprego e leva um fora daqueles de uma linda mulher (Jennifer Garner) por quem ele é loucamente apaixonado. Em meio ao fracasso de sua vida, Mark descobre que pode mentir, imaginar outra realidade, e torna-se o homem mais poderoso do mundo. Todos acreditam no que ele inventa, apenas por ele dizer, mesmo sendo o maior absurdo (para nós), já que nesse mundo, não existem suposições, tudo que é dito é o que é.
E se já não bastasse tantos motivos para reflexão sobre verdade e sinceridade, o filme ainda fala sobre o que é preciso para ser feliz de fato. O equilíbrio entre amor, dinheiro e amizade.
Um mundo onde as fraquezas são totalmente expostas e reconhecidas, sem sonhos, sem criatividade, sem fé, regido pela aparência e posição social. Acho que Rick Gervais fez uma analogia, uma representação de um mundo interior. Todos os personagens possuem uma personalidade única, que somados compõe um único ser. Um egocêntrico, um inseguro, um feio, um bonito, um alienado, um agressivo, um esperançoso, mas carente. É a soma de todos os nossos sentimentos e medos, personagens vivos dentro de nós, que atuam em determinados momentos da nossa vida. Buscam algo, mas não sabem o que é. Conhecem o seus defeitos e limitações, sabem que precisam mudar, agir de maneira diferente, mas não o fazem, muitas vezes porque o orgulho não permite, nem sempre se incomodam com isso ou fingem não se incomodar. Vacilam diante do que realmente querem e do que lhe é imposto pelos outros, na maioria das vezes, cedendo ao que a maioria acredita. A maioria nem sabe o que quer.
Depois de um tempo, já não sei se o filme defende ou condena a mentira. Ao meu ver, a grande moral é que sem sensibilidade, imaginação, otimismo, gentilezas e cordialidades, não poderíamos ter evoluído como sociedade, ou até poderiamos, mas como no filme, seriamos uma legião de pessoas vazias, incompletas, perdidas e insatisfeitas, submersos num cotidiano de coisas fúteis, sem valor.
As vezes me pergunto se já não vivemos nesse mundo ou se já não estamos caminhando para ele. Como disse Luís Fernando Veríssimo: “Embaixo do oceano há um deserto.”

Anúncios

>O babado alheio

>

Enquanto aguardavam a consulta na recepção, Fulana e Beltrana falavam  sobre a vida da Sicrana. A primeira contava em tom indignado que a última estava traindo o marido. A segunda exclamava surpresa e revolta, que já tinha notado que Sicrana tinha cara de safada. E as duas concluíram, que a terceira era adúltera e burra, pois trocara um marido fiel e dedicado pelo pecado da luxúria. Em alguns minutos de uma conversa animada, que hora soava como comédia, hora como drama, um julgamento foi feito e o veredito foi dado: Sicrana é uma pecadora, o marido traído um coitado e o amante um aproveitador.

culpa
The White Light – Guilt

Ao mesmo tempo que eu ficava a par da vida sexual da Sicrana, folheava uma revista de moda, que anunciava a volta do babado. E conclui: o babado nunca sai de moda! As revistas sabem disso. O ser humano adora saber o que se passa na casa do vizinho. Ama uma boa fofoca. Uma curiosidade quase mórbida para saber se o outro também comete os mesmos pecados que ele mesmo comete. E quem não gosta de ouvir um babado forte??? Quem acredita que são dignos de punição apenas aqueles que gostam de passar a noticia para frente, na maioria das vezes, distorcendo fatos, engana-se. Como produto de um crime, quem aceita, torna-se cúmplice. A mesma fúria que dedicamos ao condenar os enganos dos outros, receberemos em relação aos nossos. E tal qual Fulana e Beltrana, eu cometo o mesmo erro ao julgá-las duas fofoqueiras intrometidas. Tornei-me cúmplice, mantive as orelhas bem dispostas para ouvir os detalhes sórdidos.

“Os ausentes nunca têm razão.”
Phillippe Destouches


Qualquer um comete erros. Mas, os erros dos outros são muito piores que os nossos! Qualquer um tem os seus motivos para o engano. Mas, os motivos dos outros não se justificam. Ainda assim,  respeitamos muito mais aquilo que  possam pensar de nós do que por aquilo que pensamos a nosso próprio respeito. O principal objetivo do fofoqueiro é melhorar a sua própria imagem ao apontar os defeitos dos outros. Alguns são inseguros incondicionais outros são malvados mesmo.


julgar


“O que guarda a sua boca e a sua língua guarda a sua alma das angústias.” (Provérbios 21:23)

Os mexeriqueiros não perdem a oportunidade de maldizer a vida alheira. Porém, enchem-se de indignação quando tornam-se vítimas das línguas felinas. Nunca pensam, que da mesma maneira, que deferem golpes verbais contra alguém, em outro canto, outro alguém defere os mesmos golpes contra eles. Acreditam não cometer enganos, ou se cometem, ninguém os vê. Raras são as pessoas que resistem a maledicência. Muitos até se policiam, evitam emitir opiniões sobre o comportamento do outro. Podem passar um vida inteira se calando, mas na única vez que cairem na tentação, não serão reconhecidos por terem sido indulgentes a vida toda. Esse único erro pode acarretar arrependimentos eternos.

“Devido ao homem ter tendência para ser parcial para com aqueles a quem ama, injusto para com aqueles a quem odeia, servil para com os seus superiores, arrogante para com os seus inferiores, cruel ou indulgente para com os que estão na miséria ou na desgraça, é que se torna tão difícil encontrar alguém capaz de exercer um julgamento perfeito sobre as qualidades dos outros. ” Confúcio


fofoca
Que sabem Fulana e Beltrana da vida de Sicrana? E mesmos que sejam íntimas, amigas preocupadas com o seu futuro incerto, não podem julgar e condenar a escolha de Sicrana. O drama desta só é conhecido por ela mesma. O que aos olhos pode ser errado, para quem infeliz vive pode ser o bálsamo. E mesmo que o ato seja mal visto por muitos, as razões que levam  a cometê-lo, estão  somente entre as paredes do cotidiano de cada um.


“Não julgues. A vida é um mistério, cada um obedece a leis diferentes. Conheces porventura a força das coisas que os conduziram, os sofrimentos e os desejos que cavaram o seu caminho? Supreendestes porventura a voz da sua consciência a revelar-lhes em voz baixa o segredo do seu destino? Não julgues; olha o lago puro e a água tranquila onde vêm quebrar-se as mil vagas que varrem o universo… É preciso que aconteça tudo aquilo que vês.
Todas as ondas do oceano são precisas para levar ao porto o navio da verdade. Acredita na eficácia da morte do que queres para participares do triunfo do que deve ser. ”
Jeanne Vietinghoff

Fonte: Citador

>Ser novo com cada nova madrugada…

>

Odeio acordar cedo. Minha sogra nunca perde a oportunidade de dar aquela cutucada típica de sogra:”Desculpe, ligar às 9 da manhã, sei que é muito cedo para você!”. Como se todos os filhos, que tenho, não obrigassem meu corpo a sair da cama antes do meu espírito!
dormir
Miss Milly
O fato é que funciono muito melhor depois das 10. Já me senti culpada, mas Fernando Pessoa também sofria desse mal. Faço minhas as palavras dele:“Eu de dia sou nulo, de noite sou eu.”
Mesmo sabendo dos benefícios de ir para a cama cedo, meu corpo e mente parecem estar muito mais em sintonia à noite. Tentar dormir, enquanto minhas idéias estão à pleno vapor, é uma verdadeira tortura!

Nicolae Negura – Cucubaou’s
Em busca de uma boa desculpa para convencer minha sogra de que não sou preguiçosa e o Mário de que eu não tenho um amante noturno, fui pesquisar o que ocorre com as pessoas, que como eu e o Fernando Pessoa, não são tão produtivas de dia quanto são à noite, conhecidas como vespertinas. Quem sente maior disposição pela manhã, são as matutinas. Os estudos sobre assunto levam a crer, que pessoas vespertinas possuem o ritmo circadiano com cerca de 25 horas ou mais. O ritmo circadiano, como o nome já diz, refere-se ao período de um dia, cerca de aproximadamente 24 horas, no qual se baseia todo ciclo biológico de qualquer ser vivo. O termo foi extendido, pois algumas pesquisas  demonstraram, que esses ritmos estão também relacionados às marés, ao ciclo lunar e também à dinâmica climática da Terra através das correntes eólicas e marítimas. Dessa forma, a dinâmica circadiana não se reduz a uma questão fisiológica, mas também a uma conjuntura astronômica, geológica e ecológica. 
Nicolae Negura – Cucubaou’s
(…)Apagar tudo do quadro de um dia para o outro, ser novo com cada nova madrugada, numa revirgindade perpetua da emoção – isto, e só isto, vale a pena ser ou ter, para ser ou ter o  que imperfeitamente somos (…)” Fernando Pessoa

Muitos amigos blogueiros e navegadores da internet, irão se identificar com essa situação. A ciência afirma, que desde que o ser humano conheceu o fogo e sua luz, nosso ritmo mudou, já que o ciclo biológico seria regido pela luz. A cada século, seguindo a progressão dos avanços tecnológicos, os seres humanos foram diminuindo o número de horas de sono. A luz do computador é melhor que um Redbull! Só que além da luz, outros fatores também influenciam nosso ritmo, o tal  “Zeitegeber” – palavra alemã usada para nomear a sincronização do funcionamento do corpo com o ambiente.

Nicolae Negura – Cucubaou’s
A culpada dessa coisa toda é a glândula Pineal, também chamada de Terceiro Olho pelos místicos. Ela é ativada pela luz, e controla os vários bioritmos do corpo. Ela trabalha em harmonia com o hipotálamo que governa as sensações físicas de fome, sede, desejo sexual e o relógio biológico que determina nosso processo de envelhecimento. O filósofo René Descartes afirmou que nessa glândula se situa a alma humana. Ela seria como uma antena, pois tem na sua constituição cristais de apatita, que vibram conforme as ondas eletromagnéticas. Isso explicaria a regulação do ciclo menstrual conforme as fases da lua, ou a orientação de uma andorinha em suas migrações. No ser humano, seria capaz de interagir com outras áreas do cérebro como o córtex cerebral, por exemplo, que seria capaz de decodificar essas informações. Já nos outros animais, essa interação seria menos desenvolvida. Esta teoria pretende explicar fenômenos paranormais como a clarividência, a telepatia e a mediunidade. Nas crianças ela é maior e começa a diminuir no início da puberdade, o que sugere inclusive, a melhora ou até a cura de casos de epilepsia na infância, a partir desse período.
Nicolae Negura – Cucubaou’s
Essas áreas comandam todo o funcionamento do nosso corpo. Até a noção do tempo pode ser influenciado pelo nosso metabolismo. Quando estamos com febre, a cada grau, nossa sensação de tempo é 10% mais rápida. Por exemplo, com 40 graus, 30 segundos parecem 1 minuto completo. Por isso que, embora a manhã e a tarde durem o mesmo número de horas, como nossa temperatura se eleva durante o dia, temos a impressão que as tardes são mais longas que as manhãs. E se você, como eu, acha que o tempo está passando mais depressa, essa sensação é devido ao aquecimento global!

John Jude Palencar
Algumas doenças também são regidas pelos nossos ciclos. A maioria dos ataques cardíacos ocorrem pela manhã! Já foi provado também, que se extirpado o câncer de mama durante a primeira metade do ciclo menstrual da mulher, a probabilidade dele retornar é de 37%, enquanto na segunda é de 25%. Desta forma, até a eficácia de algumas drogas depende da hora do dia, que são administradas.

Richard Hess
Enfim, tirando minha empolgação com as curiosidades e misticismos da biologia, o fato é que cada pessoa tem o seu ritmo, que provalvelmente é herdado geneticamente. Meu pai, por exemplo, é músico, e desde a juventude passava as noites em claro tocando em bares. Meus filhos também seguem essa tendência, é uma guerra colocá-los cedo na cama! O que é péssimo, pois o hormônio do crescimento só funciona à noite. 

Cindy Revell
Então, meus queridos insônes, tirando as preocupações do cotidiano, que tiram o sono de qualquer criatura, você não é culpado por não conseguir ir para a cama antes do Jô ou daqueles programas eróticos. O Fernando Pessoa, que também se martirizava pelas noites bem acordadas, se tivesse acesso ao Google, poderia escrever sossegado! Assim sendo, por mais que eu tente, minha querida Pineal é a culpada pelas altas horas longe da cama! Algumas rugas que me surgem, certamente são resultantes dos telefonemas da minha sogra…

Kathy Ostman-Magnusen
“Agir é repousar” – Fernando Pessoa

%d blogueiros gostam disto: