>Retrospectiva introspectiva

>Era uma vez…outra vez. Mais um ano chega ao fim. E seguindo a tradição, não é fim de ano sem retrospectiva.

Você pode estar precisando de umas palmadas educativas por não ter cumprido as promessas feitas no inicio deste moribundo ano. Talvez aquela preguiça juvenil,  te abateu algumas vezes… Mas, será que você parou frente ao espelho, espelho meu… e se perguntou sobre como  ter a ousadia de ser você mesmo, enfrentando o mundo todo e todo mundo, vencendo os obstáculos e finalmente tornando-se o orgulho da família?

Com um papel e várias idéias na cabeça, vamos passar esse ano a limpo. Talvez algumas dessas idéias permaneceram no papel. Paciência. Nada como uma boa dose de nostalgia para curar o mal humor de não ter conseguido por em prática tudo o que você planejou.  Parece que você já vai entrar o ano endividado, mas antes de desanimar e culpar o destino cruel, é melhor você admitir que não deu tudo de si. Ok. Comece de novo, sendo novo! Diga sim ao novo ano, porque o poder do sim é transformador, e nos abre um mundo de coisas novas, de descobertas, como nos livros infantis, cheios de magia e delicadeza, onde nunca é tarde para ser feliz, onde se é feliz para sempre, e não em um ano apenas.


Você deve ter tido dias com todos os problemas misturados, um monte de gente enchendo o saco e o sapato apertando o seu dedão com joanete. Vai passar o ano novo lamentando o passado? Perguntando-se: esquecer e perdoar, eis a questão? Você pode ter sofrido por amor, pela decepção de não ser amado, ou de ter sido traído, ou ainda, de nem ter tentado amar de verdade. Pode ter chegando a conclusão, que o amor e suas heranças, só te fizeram sofrer. Mude o foco. Comece a se preocupar, se mais um ano acabou, e você não sofreu por alguém, por amor. Ninguém é completamente feliz sozinho.

Mergulhado na rotina, talvez você tenha passado o ano sem sentir nada. Sem ver nada nem niguém. Nem sabe mais qual música te arrepia. Apenas passou, ou melhor, deixou que o ano passasse por você. Certamente, você faria diferente se tivessem pensado: e se hoje fosse seu dia de morrer? Quando o tempo apenas passa, a gente não consegue dar o merecido valor para as coisas, para as pessoas, para a vida.

Quem acredita ser dono da própria vida é um tolo sonhador. Você já  se perguntou se somos livres mesmo? Donos do nosso destino? Lamentavelmente, pouca coisa depende apenas de nós mesmos. Nada mudou. Ano após ano, governor após governo. Como marionetes, somos manipulados e permanecemos inanimados diante da corrupção, do descaso e do desrespeito dos políticos e do governo. Você acha que o voto muda alguma coisa? Para mudar o Brasil, precisamos primeiro, mudar nossas atitudes.

Tudo o que criamos, se comove e faz pensar, vive para sempre. Se você viveu o ano com arte e sensibilidade, levará para toda a vida os bons frutos de 2010. Se conseguiu domar a criatividade, pode ter evitado que muitas boas idéias fossem para o lixo da memória, do esquecimento.

Talvez tenhamos que correr com lobos para sermos felizes, se você conseguiu aprender a driblar as adversidades da economia e do tempo, chegou ao fim com a sensação de missão cumprida. Se não, não se culpe, pois é verdade, que esse ano  passou rápido demais! E o correr do relógio, fez o povo correr para o botox, para a academia, para a mesa de cirurgia. Quantas vezes você olhou no espelho e lamentou o correr desse tempo louco? Mas, envelhecer não é um castigo. Cuidar do corpo é importante, mas evoluir como espírito é necessário, pois o corpo tem um curto prazo de validade. Tudo o que você precisa é de amor, de nada adianta ser atraente e irresistível, se não cultivarmos a sabedoria e o amor ao próximo.

Tem gente lutando feito um animal feroz pelo sucesso . Não podemos perder a ternura jamais, nem nesse ano, nem no próximo. Precisamos demonstrar mais afeto, deixar o coração aberto ao amor e a amizade. A tecnologia não colabora muito com o estreitamento das relações humanas. Embora, pareça o contrário, já que recebemos noticias daqueles amigos de infância, que há muito tempo não vemos. O pior cego é aquele que não quer vê. Os amigos distantes, continuam distantes. E os que estão perto, ficam cada dia mais longe. Um e-mail substituiu o telefone ou abraço do aniversário. As mensagens instantâneas substituíram as boas conversas do boteco, da calçada… que já foram um marco em nossas vidas. Como o primeiro amor, que a gente não esquece.

Se você aproveitou o ano para aparar as arestas de si mesmo, pode ter concluído que nada muda, se não mudarmos também. Descobriu que o único inimigo é você. Ninguém pode prejudicar tanto a vida, quanto nós mesmos. Temos um mundo dentro de si e às vezes, é preciso gritar “pare o mundo que quero descer”. Só dá para enxergar o fundo do lago com a água calma. Só dá para colocar as idéias em ordem, se esse mundo dentro de nós, parar de girar descontroladamente, como tem sido ano após ano. Se você tem vivido assim, pode estar se sentindo confuso, como Alice… só que é você no país das maravilhas

Sem querer ser a rainha do drama, é duro admitir que talvez não tenhamos nos esforçado para alcançar nossas metas do ano. Há mil desculpas para isso, entre elas as adversidades, que fogem ao nosso controle. Mas, quem disse que seria fácil. Pode parecer fácil quando olhamos para quem teve um ano de sucesso. Bate aquela inveja danada. Mas, a inveja tem suas faces e uma delas é positiva. O sucesso do outro pode ser inspirador e exemplar, assim como a honestidade, a dedicação e o empenho.

Se você passou o ano entre o sonho e a realidade, com mais fantasias e perguntas, do que respostas, certamente vai precisar rever esse comportamento, se quiser um ano novo mais próspero e feliz. Talvez você tenha optado por viver uma “Second Life”, twittando seus passos, blogando suas experiências, enroscado pelas redes sociais. Ok, os bytes que me movem também movem muita gente, mas tive que admitir, que embora eu ame blogar, entre o sonho e a realidade, optei pela segunda, isso sou eu quem recomenda.

Se o cinema é arte que ensina a viver, certo? Mesmo assistindo repetidas vezes, ainda não achei a fórmula do sucesso. Mas,  nem por isso vou deixar de procurá-la. Você pode achar que não está certo nem errado, nem junto nem separado. A vida deve ser baseada em fatos reais, ou é isto ou aquilo, tem que ver e sentir para entender. Há tempos para refletir que você tem ter liberdade para sonhar, mas também tem que ter os pés no chão. Entra ano, sai ano, a vida continua o mesmo paradoxo.

 Mesmo quando você quer e luta arduamente, e olha que o poder do querer move montanhas – ou seria da fé? – nem sempre o caminho é fácil e feliz. Nesse ano, a tristeza pode ter batido à sua porta, e por mais que você tenha insistido para que ela lá fora permanecesse, ela é insistente. Não adianta lutar contra. O negócio é vivenciar a tristeza para reconhecer a felicidade, inclusive e na maioria das vezes, nas pequenas coisas, nos momentos mais comuns.

O ano passou e você não teve tempo para essas bobagens sobre sonho e fantasia, acredite que a imaginação pode mudar a realidade dura e cruel dessa vida. Somos todos iguais, somos tão diferentes. Sua aparência pode ser melhor que a minha. Certamente, você pode ter mais grana do que eu, ou ser mais alto, mais magro. O que você,  eu e todo mundo deseja  e também o que nos amedronta é o que nos torna tão semelhantes. Sentir-se pleno e feliz, realizado e satisfeito. O tormento do tempo, que passa sem cessar e nos aproxima do fim.

Mas, como mentiras sinceras me interessam e talvez te interesse também, quem sabe, ainda tenhamos muito tempo para conquistar um lugar ao sol – eu prefiro à sombra e com uma cervejinha gelada, por favor!

Você vai esperar quantos anos mais para se renovar, hein? Tente ser novo a cada madrugada, não espere mais um ano passar. Os sonhos que nos movem rumo à realidade. Vamos acordar para a vida e admitir nossas falhas. O universo está dentro de nós, infinito como ele, é nossa chance de acertar olhando para fora. Mudar é inevitável, e pode doer. Porém, duvido que você queira mais do mesmo, ainda mais sabendo sobre a brevidade da vida.

Se o ano acabou e você ainda acredita que ninguém é insubstituível ou pretende continuar vivendo de aparências, lamento informar, que os astros não prevêem um bom ano novo para você. Eu cansei de deixar para depois e você? Vai esperar chegar na casa dos 40? Ou vai sair dela para a casa dos 50, 60 sem tirar as conclusões suficientes, sem passar limpo o rascunho, que está no papel, que você representa? Esqueça o babado alheio e descubra se sua vida não é assunto de fofoca.

Acenda uma vela, uma luz que faça você ver com clareza onde precisa mudar, que faça você reconhecer quem de fato você pode contar, nem seja apenas um, e não se assuste se for apenas você.  Assim é vida: a eterna e solitária busca por essa tal felicidade…

E a felicidade que eu desejo para mim em 2011, eu desejo para você também. E se você também desejar ser feliz como eu desejo, o universo irá conspirar ao nosso favor. Mas, se conspirar contra, tudo bem. Eu desejo que você e eu tenhamos sabedoria e paciência para driblar todos os obstáculos para chegar em 2012 muito melhores do que terminamos 2010.

“Nada é permanente, salvo a mudança.” Heráclito

>Essa tal felicidade…

>Muito se tem falado sobre a felicidade. O assunto é de fato recorrente. Nessa época, muitas pessoas se perguntam se foram felizes ao longo do findado ano. Diante de uma resposta negativa, tem-se inicio uma série de rituais e promessas de mudanças para que no novo ano sejamos merecedores dessa tal felicidade. O que antes era um sonho, um objetivo a ser alcançado, tornou-se uma quase insana obrigação.

felicidade
Freaking News
  “Qualquer que tenha sido o trajeto percorrido, chegamos a um estado no qual se pretendeu desvincular a felicidade do comportamento. A felicidade foi associada, em vez disso, a ter coisas, a ter comodidade, a ter prazer. O que se conseguiu com isso foi esta multidão feita de pessoas tristes, apesar do altivo aspecto exterior. E uma vida superficialmente mais fácil, mas dolorosamente amarga no interior do coração: tantos suicídios, tanta droga, tanta necessidade de barulho e de agitação, tantas pessoas incapazes de estarem a sós consigo mesmas…”(Paulo Geraldo)


Existem tantas receitas, listas e sugestões baseadas em estudos científicos ou em crenças populares. Dizem haver até pilula! Outros preferem chocolate…  Mas, afinal, como ser feliz de fato?????

alegria
Bob Vovka
Qualquer coisa que eu possa dizer sobre ser feliz, já foi dita e experimentada, e por gente muito mais gabaritada do que eu. Ainda assim, igualmente a mim e a qualquer ser humano, eles também buscaram a sua felicidade. Cada um com sua receita.


“O que verdadeiramente torna desgraçada uma pessoa – e inclusivamente uma sociedade inteira – é essa procura, ansiosa e egoísta, de bem-estar: esse intento de eliminar tudo o que contraria. “(Josemaria Escrivá)

“Para se ser feliz até um certo ponto é preciso ter-se sofrido até esse mesmo ponto.(Edgar Poe)

“A melhor maneira de ser feliz é contribuir para a felicidade dos outros.” (Confúcio)

“Não é a força, mas a constância dos bons sentimentos que conduz os homens à felicidade.” (Friedrich Nietzsche)

“A estrada da tua felicidade não parte das pessoas e das coisas para chegar a ti; parte sempre de ti em direcção aos outros.” (Michel Quoist)

“Ninguém tem a felicidade garantida. A vida simplesmente dá a cada pessoa tempo e espaço. Depende de você enchê-los de alegria.” (S. Brown)

“És precária e veloz, felicidade. Custas a vir, e, quando vens, não te demoras. Foste tu que ensinaste aos homens que havia tempo, e, para te medir, se inventaram as horas.” (Cecília Meireles)

“Aprendemos que é possível ser feliz simplesmente pelo fato de estarmos vivendo.” (Wilheim Schürmann)

hapiness
Ale Phunky
 “Para quem morre de sede, a fonte ausente é mesmo assim mais doce do que um mundo sem fontes.” (Saint-Exupéry)

“A felicidade é a única coisa que podemos dar sem possuir.” (Voltaire)

“Onde estás, felicidade ?… Em tudo quanto, acabado, me faz dizer: ‘Foi bom, mas tão bom que nem senti o tempo passar.” (Alfredo Bosi)

“A meta da existência é encontrar felicidade, o que significa encontrar interesse.” (Alexandre Sutherland Neill)

“Somos muito mais infelizes na infelicidade do que felizes na felicidade.” (Armand Salacrou)

“A infelicidade pura e completa é tão impossível quanto a pura e completa alegria.” (Tolstoi)

“Quase sempre a maior ou menor felicidade depende do grau da decisão de ser feliz.” (Abraham Lincoln)

“Creio que Deus nos colocou nesta vida para sermos felizes.” (Baden Powell)     

pilula
Carola J.
“A felicidade não depende do que nos falta, mas do bom uso que fazemos do que temos.” (Thomas Hardy)

“Felicidade é uma boa saúde e uma má memória.” (Ingrid Bergman)

“A felicidade é um bem que se multiplica ao ser dividido.” (Marxwell Maltz)

“Só há duas tragédias na vida: uma é não se conseguir o que se quer, a outra é consegui-lo. “(Óscar Wilde)

Talvez Oscar Wilde não fosse tão lunático como diziam! Nem a felicidade nos satisfaz!

Esse vídeo sensacional e emocionante traduz, para mim, a simplicidade e a grandiosidade de sentir-se feliz:  GENTE FELIZ

Tom Jobim também criou uma receita de felicidade. E você? Qual sua receita de felicidade???

Vou te contar
Os olhos já não podem ver
Coisas que só o coração pode entender
Fundamental é mesmo o amor
É impossível ser feliz sozinho…

O resto é mar
É tudo que não sei contar
São coisas lindas que eu tenho pra te dar
Vem de mansinho à brisa e me diz
É impossível ser feliz sozinho…

Da primeira vez era a cidade
Da segunda o cais e a eternidade…

Agora eu já sei
Da onda que se ergueu no mar
E das estrelas que esquecemos de contar
O amor se deixa surpreender
Enquanto a noite vem nos envolver…

Vou te contar…

>A invenção da Mentira

>

Imagine um mundo onde as pessoas são sinceras.  Uma sinceridade extrema, onde elas dizem o que realmente pensam ou sentem, sem o menor constrangimento, com toda grosseria da verdade mais cruel. Imagine um mundo onde ninguém soubesse o que é a mentira, nem se quer conhecem esse nome. Um lugar onde não exista hipocrisia, meias palavras, ilusão ou fantasia. Esse é o mundo do filme A invenção da Mentira”, do diretor Mattew Robinson.
Comecei a assistir pensando ser uma comédia daquela bem hilária, mas acabei me deparando com um filme sensacional e inteligente, daqueles que nos fazem pensar, refletir sobre nossa vida, a vida dos outros e nossa interação.
Entre algumas risadas há momentos em que senti um nó na garganta, uma certa melancolia. É inevitável não sentir algum constrangimento diante de tanta sinceridade, muito embora os personagens não se sintam assim, a não ser o protagonista Mark, que sem saber porquê, não se sente feliz com essa realidade tão extrema.

No mundo criado e protagonizado pelo comediante inglês  Rick Gervais, não existem mentiras nem ilusões, também não existem filmes, nem tão pouco religião. As pessoas não sabem mentir, não são capazes de criar,  abstrair ou  imaginar qualquer outra situação, senão aquela que é como é, sem reflexões.
Mark é um roterista da Lecture Films,produtora de filmes, cujos roteiros são simples descrições de fatos históricos, exatamente da forma como ocorreram, sem cenas ou algum tipo de representação, apenas com a leitura desses fatos. Considerado um fracassado, além de feio e gordo, Mark é demitido do emprego e leva um fora daqueles de uma linda mulher (Jennifer Garner) por quem ele é loucamente apaixonado. Em meio ao fracasso de sua vida, Mark descobre que pode mentir, imaginar outra realidade, e torna-se o homem mais poderoso do mundo. Todos acreditam no que ele inventa, apenas por ele dizer, mesmo sendo o maior absurdo (para nós), já que nesse mundo, não existem suposições, tudo que é dito é o que é.
E se já não bastasse tantos motivos para reflexão sobre verdade e sinceridade, o filme ainda fala sobre o que é preciso para ser feliz de fato. O equilíbrio entre amor, dinheiro e amizade.
Um mundo onde as fraquezas são totalmente expostas e reconhecidas, sem sonhos, sem criatividade, sem fé, regido pela aparência e posição social. Acho que Rick Gervais fez uma analogia, uma representação de um mundo interior. Todos os personagens possuem uma personalidade única, que somados compõe um único ser. Um egocêntrico, um inseguro, um feio, um bonito, um alienado, um agressivo, um esperançoso, mas carente. É a soma de todos os nossos sentimentos e medos, personagens vivos dentro de nós, que atuam em determinados momentos da nossa vida. Buscam algo, mas não sabem o que é. Conhecem o seus defeitos e limitações, sabem que precisam mudar, agir de maneira diferente, mas não o fazem, muitas vezes porque o orgulho não permite, nem sempre se incomodam com isso ou fingem não se incomodar. Vacilam diante do que realmente querem e do que lhe é imposto pelos outros, na maioria das vezes, cedendo ao que a maioria acredita. A maioria nem sabe o que quer.
Depois de um tempo, já não sei se o filme defende ou condena a mentira. Ao meu ver, a grande moral é que sem sensibilidade, imaginação, otimismo, gentilezas e cordialidades, não poderíamos ter evoluído como sociedade, ou até poderiamos, mas como no filme, seriamos uma legião de pessoas vazias, incompletas, perdidas e insatisfeitas, submersos num cotidiano de coisas fúteis, sem valor.
As vezes me pergunto se já não vivemos nesse mundo ou se já não estamos caminhando para ele. Como disse Luís Fernando Veríssimo: “Embaixo do oceano há um deserto.”

>O babado alheio

>

Enquanto aguardavam a consulta na recepção, Fulana e Beltrana falavam  sobre a vida da Sicrana. A primeira contava em tom indignado que a última estava traindo o marido. A segunda exclamava surpresa e revolta, que já tinha notado que Sicrana tinha cara de safada. E as duas concluíram, que a terceira era adúltera e burra, pois trocara um marido fiel e dedicado pelo pecado da luxúria. Em alguns minutos de uma conversa animada, que hora soava como comédia, hora como drama, um julgamento foi feito e o veredito foi dado: Sicrana é uma pecadora, o marido traído um coitado e o amante um aproveitador.

culpa
The White Light – Guilt

Ao mesmo tempo que eu ficava a par da vida sexual da Sicrana, folheava uma revista de moda, que anunciava a volta do babado. E conclui: o babado nunca sai de moda! As revistas sabem disso. O ser humano adora saber o que se passa na casa do vizinho. Ama uma boa fofoca. Uma curiosidade quase mórbida para saber se o outro também comete os mesmos pecados que ele mesmo comete. E quem não gosta de ouvir um babado forte??? Quem acredita que são dignos de punição apenas aqueles que gostam de passar a noticia para frente, na maioria das vezes, distorcendo fatos, engana-se. Como produto de um crime, quem aceita, torna-se cúmplice. A mesma fúria que dedicamos ao condenar os enganos dos outros, receberemos em relação aos nossos. E tal qual Fulana e Beltrana, eu cometo o mesmo erro ao julgá-las duas fofoqueiras intrometidas. Tornei-me cúmplice, mantive as orelhas bem dispostas para ouvir os detalhes sórdidos.

“Os ausentes nunca têm razão.”
Phillippe Destouches


Qualquer um comete erros. Mas, os erros dos outros são muito piores que os nossos! Qualquer um tem os seus motivos para o engano. Mas, os motivos dos outros não se justificam. Ainda assim,  respeitamos muito mais aquilo que  possam pensar de nós do que por aquilo que pensamos a nosso próprio respeito. O principal objetivo do fofoqueiro é melhorar a sua própria imagem ao apontar os defeitos dos outros. Alguns são inseguros incondicionais outros são malvados mesmo.


julgar


“O que guarda a sua boca e a sua língua guarda a sua alma das angústias.” (Provérbios 21:23)

Os mexeriqueiros não perdem a oportunidade de maldizer a vida alheira. Porém, enchem-se de indignação quando tornam-se vítimas das línguas felinas. Nunca pensam, que da mesma maneira, que deferem golpes verbais contra alguém, em outro canto, outro alguém defere os mesmos golpes contra eles. Acreditam não cometer enganos, ou se cometem, ninguém os vê. Raras são as pessoas que resistem a maledicência. Muitos até se policiam, evitam emitir opiniões sobre o comportamento do outro. Podem passar um vida inteira se calando, mas na única vez que cairem na tentação, não serão reconhecidos por terem sido indulgentes a vida toda. Esse único erro pode acarretar arrependimentos eternos.

“Devido ao homem ter tendência para ser parcial para com aqueles a quem ama, injusto para com aqueles a quem odeia, servil para com os seus superiores, arrogante para com os seus inferiores, cruel ou indulgente para com os que estão na miséria ou na desgraça, é que se torna tão difícil encontrar alguém capaz de exercer um julgamento perfeito sobre as qualidades dos outros. ” Confúcio


fofoca
Que sabem Fulana e Beltrana da vida de Sicrana? E mesmos que sejam íntimas, amigas preocupadas com o seu futuro incerto, não podem julgar e condenar a escolha de Sicrana. O drama desta só é conhecido por ela mesma. O que aos olhos pode ser errado, para quem infeliz vive pode ser o bálsamo. E mesmo que o ato seja mal visto por muitos, as razões que levam  a cometê-lo, estão  somente entre as paredes do cotidiano de cada um.


“Não julgues. A vida é um mistério, cada um obedece a leis diferentes. Conheces porventura a força das coisas que os conduziram, os sofrimentos e os desejos que cavaram o seu caminho? Supreendestes porventura a voz da sua consciência a revelar-lhes em voz baixa o segredo do seu destino? Não julgues; olha o lago puro e a água tranquila onde vêm quebrar-se as mil vagas que varrem o universo… É preciso que aconteça tudo aquilo que vês.
Todas as ondas do oceano são precisas para levar ao porto o navio da verdade. Acredita na eficácia da morte do que queres para participares do triunfo do que deve ser. ”
Jeanne Vietinghoff

Fonte: Citador

>Ninguém é insubstituível

>“Na sala de reunião de uma multinacional o diretor nervoso fala com sua equipe de gestores. Agita as mãos, mostra gráficos e, olhando nos olhos de cada um ameaça:

– “Ninguém é insubstituível”. 

talento
Esculturas em cascas de ovos de Lew Jensen, Brian Baity


A frase parece ecoar nas paredes da sala de reunião em meio ao silêncio. Os gestores se entreolham, alguns abaixam a cabeça. Ninguém ousa falar nada. De repente um braço se levanta e o diretor se prepara para triturar o atrevido: – Alguma pergunta? – Tenho sim. – E Beethoven ?
– Como? – o encara o diretor confuso.
– O senhor disse que ninguém é insubstituível e quem substituiu Beethoven?
Silêncio…..O funcionário fala então:
– Ouvi essa estória esses dias contada por um profissional que conheço e achei muito pertinente falar sobre isso. 

trabalho

Afinal as empresas falam em descobrir talentos, reter talentos, mas, no fundo continuam achando que os profissionais são peças dentro da organização e que, quando sai um, é só encontrar outro para por no lugar.
Quem substituiu Beethoven? Tom Jobim? Ayrton Senna? Frank Sinatra? Garrincha? Santos Dumont? Monteiro Lobato? Elvis Presley? Os Beatles? Jorge Amado? Pelé? Paul Newman? Tiger Woods? Albert Einstein? Picasso? Zico? 

unicos

Todos esses talentos marcaram a história fazendo o que gostam e o que sabem fazer bem, ou seja, fizeram seu talento brilhar. E, portanto, são sim insubstituíveis. Cada ser humano tem sua contribuição a dar e seu talento direcionado para alguma coisa. Está na hora dos líderes das organizações reverem seus conceitos e começarem a pensar em como desenvolver o talento da sua equipe focando no brilho de seus pontos fortes e não utilizando energia em reparar seus ‘erros/ deficiências’ .

esculturas
Lew Jensen


Ninguém lembra e nem quer saber se Beethoven era surdo, se Picasso instável, Caymmi preguiçoso, Kennedy egocêntrico, Elvis paranóico… O que queremos é sentir o prazer produzido pelas sinfonias, obras de arte, discursos memoráveis e melodias inesquecíveis, resultado de seus talentos.

arte
Esculturas em cascas de ovos de Lew Jensen

Cabe aos líderes de sua organização mudar o olhar sobre a equipe e voltar seus esforços em descobrir os pontos fortes de cada membro. Fazer brilhar o talento de cada um em prol do sucesso de seu projeto.
Se seu gerente/coordenador, ainda está focado em ‘melhorar as fraquezas’ de sua equipe corre o risco de ser aquele tipo de líder/ técnico, que barraria Garrincha por ter as pernas tortas, Albert Einstein por ter notas baixas na escola, Beethoven por ser surdo. E na gestão dele o mundo teria perdido todos esses talentos. 

sociedade
Alan Rabon
ovos
Lew Jensen

Seguindo este raciocínio, caso pudessem mudar o curso natural, os rios seriam retos não haveria montanha, nem lagoas nem cavernas, nem homens nem mulheres, nem sexo, nem chefes nem subordinados . . . apenas peças.
 

Nunca me esqueço de quando o Zacarias dos Trapalhões ‘foi pra outras moradas’. Ao iniciar o programa seguinte, o Dedé entrou em cena e falou mais ou menos assim: “Estamos todos muito tristes com a ‘partida’ de nosso irmão Zacarias… e hoje, para substituí-lo, chamamos:… . Ninguém … pois nosso Zaca é insubstituível”

Portanto nunca esqueça: Você é um talento único… com toda certeza ninguém te substituirá!

“Sou um só, mas ainda assim sou um. Não posso fazer tudo…, mas posso fazer alguma coisa. Por não poder fazer tudo, não me recusarei a fazer o pouco que posso.”

“No mundo sempre existirão pessoas que vão te amar pelo que você é…, e outras…, que vão te odiar pelo mesmo motivo…, acostume-se a isso…, com muita paz de espírito. ..”.
É bom para refletir e se valorizar!

Um bom dia….. insubstituível!!!!!

Ninguém é insubstituível”  por Célia Spangher

Recebi esse texto por e-mail, é de autoria da headhunter Célia Spangher. Ele já até foi publicado em alguns blogs, mas textos tão bons como esse precisam ser divulgados. Apesar de ser destinado ao mercado de trabalho, nada impede que sua mensagem seja ampliada para todos os setores da nossa vida. Além disso, achei o tema  bem adequado às íncriveis imagens das esculturas em cascas de ovos. Trabalhos, sem sombra de dúvida, insubstituíveis!

>Mais do mesmo

>

Hoje é dia de eleição. Obrigados por lei, vamos às urnas votar naqueles, que irão assumir o controle do nosso país e do nosso dinheiro. É o que se chama democracia e dizem ser o nosso direito. Poderemos exercer nosso poder de escolha.
palhaços
“Quando se considera que o produto do trabalho e das luzes de trinta ou quarenta séculos foi entregar trezentos milhões de homens espalhados pelo globo a cerca de trinta déspotas, a maioria ignorante e imbecil, cada um dos quais é governado por três ou quatro celerados às vezes estúpidos, o que pensar da humanidade e o que dela esperar no futuro?” Sébastien-Roch Chamfort, in ‘Pensamentos, Máximas e Anedotas’

Hoje é dia de eleição. Amanhã, nada mudará, nada será diferente, tudo será igual. Não importa quem vença. Bem intencionados ou não. Palhaços,  fantoches, frutas ou cantores. Nada mudará, porque o povo será o mesmo. E sendo o povo o mesmo, nossos problemas permanecerão. E aqueles que elegemos, justificam seus crimes e saem ilesos, usando nosso voto como escudo.
palhaçada
O nosso voto é a arma de manipulação, que os políticos empunham contra nós mesmos. Aqueles que disputam o nosso voto são o retrato que nós pintamos. Somos um povo que não se dá ao respeito. Damos o voto a palhaços, a bandidos, a fantoches. E a cada eleição, o desrespeito aumenta. E a cada eleição elegem-se mais e mais canalhas.
Hoje é dia de eleição.  Amanhã ainda seremos os mesmos. E o Brasil continuará a ser um país de terceiro mundo. Não pela dureza, que assola muitos, mas pela pobreza de espírito, pela ignorância do nosso povo.
Abaixo um texto excelente, que dizem ser de João Ubaldo Ribeiro:

“A crença geral anterior era que Collor não servia, bem como Itamar e Fernando Henrique. Agora dizemos que Lula não serve. E o que vier depois de Lula também não servirá para nada.

Por isso estou começando a suspeitar que o problema não está no ladrão corrupto que foi Collor, ou na farsa que é o Lula. O problema está em nós. Nós como POVO.

Nós como matéria prima de um país. Porque pertenço a um país onde a “ESPERTEZA” é a moeda que sempre é valorizada, tanto ou mais do que o dólar. Um país onde ficar rico da noite para o dia é uma virtude mais apreciada do que formar uma família, baseada em valores e respeito aos demais. brasileiro

Pertenço a um país onde, lamentavelmente, os jornais jamais poderão ser vendidos como em outros países, isto é, pondo umas caixas nas calçadas onde se paga por um só jornal E SE TIRA UM SÓ JORNAL, DEIXANDO OS DEMAIS ONDE ESTÃO.

Pertenço ao país onde as “EMPRESAS PRIVADAS” são papelarias particulares de seus empregados desonestos, que levam para casa, como se fosse correto, folhas de papel, lápis, canetas, clipes e tudo o que possa ser útil para o trabalho dos filhos …e para eles mesmos.

Pertenço a um país onde a gente se sente o máximo porque conseguiu “puxar” a tevê a cabo do vizinho, onde a gente frauda a declaração de imposto de renda para não pagar ou pagar menos impostos.

Pertenço a um país onde a impontualidade é um hábito. Onde os diretores das empresas não valorizam o capital humano. Onde há pouco interesse pela ecologia, onde as pessoas atiram lixo nas ruas e depois reclamam do governo por não limpar os esgotos. Onde pessoas fazem “gatos” para roubar luz e água e nos queixamos de como esses serviços estão caros.
povoOnde não existe a cultura pela leitura (exemplo maior nosso atual Presidente, que recentemente falou que é “muito chato ter que ler”) e não há consciência nem memória política, histórica nem econômica.

Onde nossos congressistas trabalham dois dias por semana para aprovar projetos e leis que só servem para afundar ao que não tem, encher o saco ao que tem pouco e beneficiar só a alguns.

Pertenço a um país onde as carteiras de motorista e os certificados médicos podem ser “comprados”, sem fazer nenhum exame. Um país onde uma pessoa de idade avançada, ou uma mulher com uma criança nos braços, ou um inválido, fica em pé no ônibus, enquanto a pessoa que está sentada finge que dorme para não dar o lugar.

Um país no qual a prioridade de passagem é para o carro e não para o pedestre. Um país onde fazemos um monte de coisa errada, mas nos esbaldamos em criticar nossos governantes.

Quanto mais analiso os defeitos do Fernando Henrique e do Lula, melhor me sinto como pessoa, apesar de que ainda ontem “molhei” a mão de um guarda de trânsito para não ser multado.

Quanto mais digo o quanto o Dirceu é culpado, melhor sou eu como brasileiro , apesar de ainda hoje de manhã passei para trás um cliente através de uma fraude, o que me ajudou a pagar algumas dívidas.

Não. Não. Não. Já basta.

Como “Matéria Prima” de um país, temos muitas coisas boas, mas nos falta muito para sermos os homens e mulheres que nosso país precisa.

Esses efeitos, essa “ESPERTEZA BRASILEIRA” congênita, essa desonestidade em pequena escala, que depois cresce e evolui até converter-se em casos de escândalo, essa falta de qualidade humana, mais do que Collor, Itamar, Fernando Henrique ou Lula, é que é real e honestamente ruim, porque todos eles são brasileiros como nós, ELEITOS POR NÓS. sociedade

Nascidos aqui, não em outra parte… Me entristeço. Porque, ainda que Lula renunciasse hoje mesmo, o próximo presidente que o suceder terá que continuar trabalhando com a mesma matéria prima defeituosa que, como povo, somos nós mesmos.

E não poderá fazer nada… Não tenho nenhuma garantia de que alguém o possa fazer melhor, mas enquanto alguém não sinalizar um caminho destinado a erradicar primeiro os vícios que temos como povo, ninguém servirá.

Nem serviu Collor, nem serviu Itamar, não serviu Fernando Henrique, e nem serve Lula, nem servirá o que vier. Qual é a alternativa? Precisamos de mais um ditador, para que nos faça cumprir a lei com a força e por meio do terror? Aqui faz falta outra coisa.

E enquanto essa “outra coisa” não comece a surgir de baixo para cima, ou de cima para baixo, ou do centro para os lados, ou como queiram, seguiremos igualmente condenados, igualmente estancados….igualmente sacaneados!!!

É muito gostoso ser brasileiro. Mas quando essa brasilinidade autóctone começa a ser um empecilho às nossas possibilidades de desenvolvimento como Nação, aí a coisa muda… Não esperemos acender uma vela a todos os Santos, a ver se nos mandam um Messias.

Nós temos que mudar, um novo governador com os mesmos brasileiros não poderá fazer nada. Está muito claro…… Somos nós os que temos que mudar.

Sim, creio que isto encaixa muito bem em tudo o que anda nos acontecendo; desculpamos a mediocridade mediante programas de televisão nefastos e francamente tolerantes com o fracasso.

É a indústria da desculpa e da estupidez. Agora, depois desta mensagem, francamente decidi procurar o responsável, não para castigá-lo, senão para exigir-lhe (sim, exigir-lhe) que melhore seu comportamento e que não se faça de surdo, de desentendido.

Sim, decidi procurar o responsável e ESTOU SEGURO QUE O ENCONTRAREI QUANDO ME OLHAR NO ESPELHO. AÍ ESTÁ. NÃO PRECISO PROCURÁ-LO EM OUTRO LADO.
E você, o que pensa?…. “

corrupção
Campanha Rir para não Chorar
 Imagens: fotos manipuladas dos trabalhos em papel marchê da Papel pra toda obra

>Os sonhos que nos movem

>

A televisão brasileira está comemorando 60 anos. Desde sua criação, tornou-se a principal fonte de informação e entretenimento do brasileiro. 
televisao
Alex Cherry

Muita gente critica a alienação que ela causa nas pessoas, mas  justamente pelo poder de hipnotizar nossas emoções, que a televisão tornou-se um item de primeira necessidade.

Que a tv elege presidentes, a gente já sabe. Mas, é verdade que uma criança, um adolescente ou até mesmo um adulto podem ser influenciados por uma novela, programa ou filme?

imaginacao
Archan Nair
Eu li um texto escrito pelo Doutor e Mestre em Direito da USP, Antonio Jorge Pereira Jr., na excelente Revista Ser Família do Instituto de mesmo nome, vendida  pela rede de farmácias Drogasil em prol da entidade Obra do Berço. O texto intitulado “Imaginação, imagem e ação”, trata da influência da televisão, do cinema e da literatura na vida das pessoas.
sonhar
Archan Nair
Já comentei em outros posts sobre a carência de imaginação nas crianças (nos adultos também!) e seu efeito nocivo para o futuro. Através do imaginar, é que colocamos os maiores planos da nossa vida em prática. Quando a imaginação é limitada, os recursos para uma vida plena e satisfatória ficam escassos, já que a capacidade de visualizar nossas metas fica prejudicada. Segundo o filósofo espanhol Leonardo Pólo, a imaginação condiciona a ação da inteligência e da vontade. Sendo precária a capacidade de criar as imagens, que nos despertam a vontade e a força para torná-las reais, fatalmente tornaremos nossa vida frustrante e sem sentido.
imaginar
Archan Nair
A imaginação é alimentada por imagens, literatura, experiências e sons. Vários estudos apontam, que a imagem de felicidade, que chega até os jovens está associada a comportamentos egoístas e relacionamentos superficiais. Uma visão distorcida da justiça, do certo e do errado, do respeito a si próprio e pelo próximo.
Sendo assim, quem imagina que possa haver apenas relações fugazes, não será capaz de projetar relações diferentes. Imaginar tem haver com a esperança e a expectativa, pois ela antecipa a ação. Os estudos concluíram que o conjunto de imagens de condutas humanas, especialmente associado a algum prazer, facilita a predisposição ao comportamento visto. Não fosse assim, a publicidade não se justificaria. 
influencia
Archan Nair
Algumas pessoas relutam a afirmar, que os recentes desenhos e jogos violentos possam influenciar as crianças negativamente, alegando que os desenhos antigos, como Tom e Jerry, Pica-Pau ou Papa-léguas eram mais violentos que os de hoje e nada daquilo era imitado. Porém, vale ressaltar que,  esses desenhos representavam animais, humanos não apareciam, portanto as crianças não faziam associação das imagens  com o comportamento, pelo simples fato de não se reconhecerem nos personagens. 
escolha
Archan Nair
Existem pessoas que passam uma vida inteira sem nada realizar, mas satisfeitas apenas pelas projeções da sua imaginação, geradas pelas histórias em livros, em filmes ou novelas que ela lê ou assiste. Acredito que o ser humano criou as artes, para suprir a necessidade sem limites dos nossos sentimentos, que se realmente concretizados, poderiam trazer consequências desagradáveis ou até trágicas. Todas as imagens criadas ou assistidas são guardadas dentro de nós. Quando passamos por alguma experiência parecida na vida real, resgatamos essas imagens e as emoções antes despertadas. Quando se povoam a memória com imagens de traição, sensualidade, egoísmo e  violência criam-se modelos deturpados da realidade. Assim, a capacidade de sonhar mais alto fica prejudicada pela ausência de bons exemplos, de valores e bons critérios.
Alimentar os bons sonhos é alimentar a realidade.
agir
Archan Nair
Não há dúvida que a televisão influencia nossas atitudes e pensamentos. As crianças e os jovens são mais sensíveis a essa exposição. Cabe aos pais filtrarem as imagens, que seus filhos recebem, não apenas pela tv, mas pelos jogos, pelos livros, pela música e também por eles mesmos, através de suas ações. Afinal, não adianta nada desligar a televisão e fazer a criança presenciar um verdadeiro show de horrores ao vivo! Não é fácil, mas os bons exemplos começam em casa. Quem adquire bom senso, aprende a não mais absorver os maus exemplos da tv, do cinema e do mundo.  Mesmo assim, alimentar bem nossa imaginação e a  nossos filhos  garantirá uma vida plena e feliz. A natureza dos sonhos que nos movem denuncia a trajetória que estamos a percorrer.
 Fonte: Revista Ser Família Edição 21 / Imagens: Do talentoso ilustrador indiano Archan Nair e  do excelente americano Alex Cherry
%d blogueiros gostam disto: